Power Rankings – Semana 1

A semana de reações exageradas veio e se você já quer consagrar ou execrar um jogador, time ou técnico, aqui provavelmente é o lugar errado. Mas isso não significa que vamo deixar de elogiar quem merece e cornetar quem foi mal. Primeiro power ranking com bola oval voando traz muitas mudanças, mas o primeiro e o último colocado permanecem os mesmos.

 

1 – (1) Philadelphia Eagles – 1-0
Foi bonito? Não. Mas os campeões estrearam com vitória sobre um forte Falcons sendo forte nos momentos decisivos. A defesa permitiu apenas um TD em cinco viagens a redzone de Atlanta enquanto o ataque converteu duas de suas três oportunidades na zona do perigo.

 

2 – (3) Minnesota Vikings – 1-0
A defesa foi oportunista e sufocante. O ataque foi eficiente apesar de ter caído de nível no último quarto. Minnesota é o time mais completo da NFL e jogou como tal diante dos 49ers. Sem grandes sustos. Poderia ter sido mais fácil? Poderia, mas é a primeira semana e ainda existem ajustes a serem feitos, especialmente na linha ofensiva.

 

3 – (7) New England Patriots – 1-0
Os wide receivers de New England receberam 9 dos 26 passes de Brady (7 de Phillip Dorsett, muito bem no papel do suspenso Edelman), que teve exatamente zero dificuldades para encontrar seus running backs. Gronkowski foi um pesadelo na defesa de Houston e a linha ofensiva segurou bem. Defensivamente, uma DL renovada amassou a fraquíssima OL dos Texans. O placar mostra um aperto, mas a vitória foi tranquila.

 

4 – (5) Los Angeles Rams – 1-0
Os Rams não facilitaram para si mesmo contra um fraco Raiders. No primeiro tempo vimos um ataque que não conseguia ficar em campo e uma defesa que teve sua falta de linebacker amplamente explorada. Mas no segundo tempo os Rams mostraram a marca de um bom time, a capacidade de se ajustar, e dominaram Oakland.

 

5 – (9) Green Bay Packers – 1-0
Aaron. Charles. Rodgers. Além do óbvio que é o melhor QB da NFL tendo uma noite épica, vale destacar o bom trabalho de Mike Pettine se adaptando rapidamente ao ataque de Chicago. Vale lembrar que, apesar da empolgação, o buraco é mais embaixo contra os Vikings.  

 

6 – (11) Baltimore Ravens – 1-0
A marca de um bom time é pegar um adversário inferior e passar o carro. Foi exatamente o que Baltimore fez, dando nenhuma chance aos Bills em um jogo seguro de Flacco enquanto Nathan Peterman passava vergonha contra a ainda forte defesa dos Ravens.

 

7 – (2) New Orleans Saints – 0-1
Drew Brees foi excelente. Michael Thomas é uma máquina de recepções. Alvin Kamara marcou três touchdowns mesmo com o time desistindo da corrida. 475 jardas e 40 pontos no placar são o suficiente para ganhar quase todos os jogos, mas não dessa vez. Dois fumbles, um deles retornado para touchdown e uma defesa completamente apática acabaram com as chances de New Orleans jogo, colocando o time num buraco de 48×24 no último período que nem a tarde inspirada do ataque conseguiu salvar. Vale lembrar que em 2017 a defesa também começou abismal. Ainda acredito no talento desse time e que esse jogo será a exceção.

 

8 – (10) Jacksonville Jaguars – 1-0
Uma vitória bem Jaguars em uma partida onde os dois ataques não fizeram muita coisa. O time mostrou que consegue sobreviver sem Fournette utilizando TJ Yeldon e a mobilidade de Bortles. A defesa sofreu contra Odell Beckham mas anulou Saquon Barkley durante quase toda a tarde (o TD de 68 jardas foi a exceção). Jacksonville foi o time mais eficiente do dia, e isso foi o necessário para garantir a vitória.

9 – (4) Pittsburgh Steelers – 0-0-1
Foram seis turnovers, então sair com o empate foi sair no lucro. Mas também era uma vantagem de 21×7 com oito minutos para o fim do jogo contra o Cleveland Browns. Foi desperdiçada uma boa performance da defesa, com sete sacks. Big Ben foi terrível com duas interceptações completamente absurdas e outra que não foi sua culpa. James Conner impressionou em sua estreia, mas (ainda?) não é Bell. O Steelers tinha tudo para sobreviver a uma performance ofensiva desastrosa e deixou isso escapar para um time que não vence desde 2016. Sinal amarelo aceso, mas já vimos esse time se recuperar de jogos estranhos.

 

10 – (17) Kansas City Chiefs – 1-0
Andy Reid é um gênio louco e finalmente achou um QB com a mentalidade agressiva para executar seu plano, mas isso não significa que Mahomes é a reencarnação de Brett Favre, vamos com calma. O que significa é que o ataque de KC vai assustar qualquer time, assim como a defesa deveria assustar a torcida. O Chargers andou com facilidade na retaguarda dos Chiefs durante a partida, especialmente no jogo aéreo.

 

11 – (13) Carolina Panthers – 1-0
A defesa dominou um ataque fraco e Cam Newton e companhia foram seguros contra uma defesa sólida. Bom ver que Norv Turner não abdicou de usar Newton como uma arma no jogo terrestre. Os Panthers vão precisar melhorar na redzone (onde Newton pode dominar) e nas terceiras descidas. Mas uma vitória sem sustos é um bom começo.

 

12 – (6) Atlanta Falcons – 0-1
O experimento Sarkisian teve outra noite para esquecer na Philadelphia. Nada explica mais a ineficácia do ataque de Atlanta nas 20 jardas finais do campo do que as três últimas jogadas da partida, quando o coordenador ofensivo chamou a mesma jogada em todas. Sem nenhum ajuste. Só Four Verts e vamos ver no que dá. Deu em derrota. Outro problema é o QB, já que Matt Ryan preocupa com uma performance muito atípica. Não me surpreenderia se descobríssemos que ele está lidando com alguma lesão.

 

13 – (8) Los Angeles Chargers – 0-1
Field goal errado, punt fumbleado que o oponente recupera na linha de 1 jarda, Tyreek Hill retornando outro punt para TD, passes que seriam touchdown dropados. O Chargers atirou no próprio pé repetidas vezes e ainda viu sua defesa parecer completamente perdida contra o ataque explosivo e diverso dos Chiefs e sem Joey Bosa. Philip Rivers segue sem merecer esse time.

 

14 – (16) Washington Cumpadis – 1-0
Alex Smith super sólido, como é de se esperar. Chris Thompson sorrateiramente um dos melhores RBs recebendo passes na liga. Adrian Peterson parecendo levemente rejuvenescido e uma defesa que não deu chance nenhuma ao fraque ataque de Arizona. Estranho ver essa franquia ganhar sem sustos.

 

15 – (21) Tampa Bay Buccaneers – 1-0
A narrativa com o Buccaneers era que talento o ataque tinha, de sobra, bastava alguém que contribuísse para isso. No domingo, esse alguém foi o interminável Ryan Fitzpatrick. Tampa não tomou conhecimento de uma defesa que foi das melhores da NFL em 2017 e enfiou 529 jardas em pleno Superdome nos rivais de divisão. Isso é sustentável? Provavelmente não. A defesa sofreu contra Drew Brees e companhia? Bastante. Mas esse é o potencial de Tampa, e quem sabe a confiança adquirida com essa vitória não siga para os próximos jogos.

 

16 – (20) Denver Broncos – 1-0
Denver forçou três turnovers na defesa e limitou o ataque de Seattle a uma pífia taxa de 16% de conversão em terceiras descidas. A mesma defesa também cedeu várias jogadas longas e não foi ajudada por seu ataque que, apesar das 470 jardas conquistadas e 35 minutos de posse, também cometeu três turnovers. No final, Denver saiu com a vitória tem motivos para otimismo, ainda mais com as boas contribuições de jovem como os corredores Royce Freeman e Phillip Lindsay, o tight end Jake Butt e o WR Courtland Sutton que podem ser o diferencial do time durante a temporada.  

17 – (15) Chicago Bears – 0-1
Chicago teve um começo muito promissor que foi murchando ao longo do jogo. A virada após vencer por 20×0 é muito dolorosa mas não deve negar que o ataque é muito melhor do que em 2017 e ainda está se evoluindo, com várias partes se acostumando umas com as outras incluindo Trubisky, recebedores e Matt Nagy e Khalil Mack foi um monstro quando esteve em campo. A preocupação existe, especialmente com o QB que parece ter sentido a pressão no segundo tempo e um técnico que perdeu a agressividade e criatividade nas chamadas após o primeiro quarto, mas as peças estão no lugar para construir um bom time.

 

18 – (27) New York Jets – 1-0
Sam Darnold mostrou a que veio. Não dá para afirmar se ele terá um futuro de sucesso, mas uma característica essencial para um QB é ter memória curta. Após seu primeiro passe como profissional ter sido retornado para TD, Darnold se acalmou e liderou tranquilamente o ataque de NY. Foi preciso, correto nas leituras e móvel. O resto dos Jets também compareceu, a defesa mostrou a que veio durante quase todo o jogo e leu Stafford como um livro. Vai ser difícil segurar o “empolgou” no lado verde de Nova Iorque.

 

19 – (18) San Francisco 49ers – 0-1
Minnesota é simplesmente uma equipe melhor que SF, mas os niners fizeram jogo duro até a pick-six de Garoppolo, que teve seus momentos mas também mostrou que as preocupações com sua tendência a lançar bolas nas mãos dos adversário eram merecidas. A história poderia ter sido diferente, e além dos turnovers San Francisco tem que ser mais competente na redzone. Foram quatro oportunidades e apenas uma que se transformou em sete pontos. Difícil vencer um bom time assim.

 

20 – (25) Cincinnati Bengals – 1-0
Cincinnati mostrou força ao sair de um 10×23 no terceiro quarto e buscar a virada. Dalton conseguiu manter a calma, A.J. Green foi excelente e Joe Mixon foi muito bem no jogo terrestre. É importante levar em consideração que a defesa dos Colts é fraca e que do outro lado, a defesa de Cincinnati desapontou e só segurou Indy com turnovers, inclusive o fumble retornado para TD que fechou o jogo e parou uma campanha que avançava com tranquilidade. Vitória importante para quem sonha calar bocas e brigar pelos playoffs.

 

21 – (26) Miami Dolphins – 1-0
Tannehill voltou bem apesar das interceptações e a defesa segurou Tennessee nas situações chaves da partida. Miami ainda não é um time bom, e 20% de conversões em terceiras descidas não é sustentável, nem marcar dois TDs de 75 jardas em um jogo. Mas a vitória dá confiança ao time.

 

22 – (12) Tennessee Titans – 0-1
Em um jogo bizarro, a derrota não foi nem o pior para os Titans. Mariota saiu com uma lesão no cotovelo, Taylor Lewan com uma concussão e Delanie Walker está fora da temporada com uma fratura no tornozelo. O time mostrou alguns bons sinais durante o jogo, mas seja pelos atrasos devido ao clima, turnovers ou lesões, Tennessee vai ter que mostrar muito mais contra Texans e Jaguars nas próximas semanas.

 

23 – (14) Detroit Lions – 0-1
Tudo começou bem na estreia de Matt Patricia com uma pick-six logo no começo do jogo, mas depois disso a coisa complicou. O time ainda empatou no terceiro quarto antes da situação degringolar de vez. A defesa não conseguiu parar os Jets pelo chão ou pelo ar, o ataque terrestre mais uma vez foi inútil e Stafford distribuiu presentes. Até o time de especialistas entrou na brincadeira, permitindo um punt retornado para TD. Se vence na NFL fazendo os ajustes necessários no vestiário, e Detroit completamente desapareceu após a primeira campanha do terceiro quarto. A derrota mais feia da rodada considerando o que se esperava do time, a forma como aconteceu e o adversário.

 

24 – (22) Houston Texans – 0-1
O trem do hype se encontrou com a realidade. A tenebrosa linha ofensiva dos Texans complicou a vida de Deshaun Watson (e vai ficar pior ainda sem Seantrel Henderson) e o QB, por sua vez, teve menos sucesso com alguns passes irresponsáveis do que no ano passado, uma regressão natural. O potencial de Watson é enorme, mas o grupo ao seu redor complica. Defensivamente o Texans levou um nó de New England, uma tradição anual. J.J. Watt não aparecer muito é esperado pelo tempo que ficou fora, já Jadeveon Clowney ficou devendo mesmo.

25 – (23) New York Giants – 0-1
O Giants perdeu para um time melhor, mas foi um jogo ganhável. Uma partida que um time que quer brigar pelos playoffs tem que dar um jeito de vencer. NY foi 0 de 2 na redzone e converteu 4 de suas 15 terceiras ou quartas descidas. O jogo terrestre só andou quando o talento de Saquon Barkley explodiu em uma corrida de 68 jardas e Odell parece estar 100%, mas a linha segue um problema e Ereck Flowers, mesmo do lado direito, é uma avenida.

 

26 – (24) Seattle Seahawks – 0-1
Chris Carson teve alguns bons momentos correndo com a bola (apenas 7 tentativas) e Russell Wilson fez sua mágica em algumas jogadas, mas o resto dos hawks foi o que se pensava que eles seriam. A linha ofensiva segue trágica e a defesa cedeu 470 jardas para o ataque liderado por Case Keenum. Não é toda semana que Seattle vai forçar três interceptações.

 

27 – (19) Dallas Cowboys – 0-1
Até para quem não tinha muita expectativa, esse foi um jogo bem ruim para os Cowboys. O ataque não cruzou o meio campo no primeiro tempo e o buraco só não foi maior graças a um fumble de McCaffrey na redzone. Scott Linehan e Jason Garrett tem que encontrar uma solução para isso, talvez abrindo o jogo com vários wide receivers e procurando o melhor matchup, algum tipo de criatividade usando as pernas do Prescott. Qualquer coisa. Eu acreditaria isso, se a mudança não dependesse de Linehan e Garrett.

 

28 – (29) Cleveland Browns – 0-0-1
Quando seu time vence a batalha de turnovers por cinco você espera não apenas a vitória, mas uma surra. Os Browns saíram da chuva em Cleveland com um amargo empate. O ataque sofreu com pressão constante em cima de Tyrod, que também foi a sua pior versão, e a defesa não segurou James Conner por nada, mas Cleveland teve seus momentos e tem motivos para acreditar em resultados melhores. Melhor começo de temporada para os Browns desde 2004.

 

29 – (30) Indianapolis Colts – 0-1
A derrota veio de forma frustrante considerando que Indy caminhava para virar o jogo até que o fumble de Jack Doyle retornado para TD selou a vitória dos Bengals. Apesar disso, os Colts tem motivos para estarem otimistas já que Luck não só voltou como jogou bem e se mostrou fisicamente capaz de fazer todos os passes necessários.

 

30 – (28) Arizona Cardinals – 0-1
Arizona foi a pior versão do time em sua estreia. Um ataque completamente ineficiente que não consegue nem correr nem passar a bola e uma defesa que não teve agressividade o suficiente para segurar Washington. Pode ser o começo de uma longa temporada no deserto se nada mudar.

 

31 – (31) Oakland Raiders – 0-1
O Raiders perdeu por 20 pontos e eu considerei subir o time uma posição por que durante boa parte do jogo Oakland jogou até melhor do que os Rams. A equipe não conseguiu transformar essa qualidade em vantagem no primeiro tempo por conta de muitas faltas e, na segunda etapa, os Rams se ajustaram enquanto os Raiders não conseguiram e sofreram com isso.

 

32 – (32) Buffalo Bills – 0-1
47-3. Esse time parece ser pior do que o Cleveland Browns de 2017.

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *