Power Rankings – Semana 4

Chegamos ao final do primeiro quarto da temporada para 30 das 32 equipes da NFL. Apenas duas seguem invictas e os Chiefs, pela primeira vez, pareceram mortais. Ainda extremamente bons, mas mortais. Do outro lado, só Arizona segue sem vencer, mas teve sua melhor chance contra Seattle e está cautelosamente otimista com Josh Rosen. Já Seattle é possivelmente um dos times 2-2 mais enganadores da liga junto com Dallas e, apesar da vitória, perdeu Earl Thomas por lesão e provavelmente para sempre. Mas vamos ao que interessa, começando com o ainda tranquilamente melhor time da NFL, o…

1 – (1) Los Angeles Rams – 4-0

O Los Angeles Rams ganhou, em média, 10.1 jarda por jogada contra o Minnesota Vikings. Os Rams só converteram uma terceira descida, mas o time só enfrentou seis dessas oportunidades no jogo inteiro. LA cometeu apenas duas faltas, o que parece impossível na NFL moderna. Jared Goff só não é o favorito para o prêmio de MVP nesse momento por que Patrick Mahomes existe. A defesa sofreu, e muito, contra Kirk Cousins e o jogo aéreo dos Vikings, mas tem que lembrar que Peters jogou lesionado e Talib só volta no final do ano. Esse time é uma máquina e o mais assustador é que ainda pode melhorar. 

2 –(2) Kansas City Chiefs – 4-0  

Patrick Mahomes foi mais incomodado do que nas três partidas anteriores e durante boa parte do jogo os Chiefs pareciam destinados a sua primeira derrota na temporada. Não que Mahomes tenha sido horrível na primeira metade, só não foi o destruidor de mundos dos primeiros jogos. No último período, precisando de dois touchdowns para virar o jogo, o ataque acordou e Mahomes entregou jogada absurda atrás de jogada absurda, incluindo um passe com a canhota enquanto Von Miller estava literalmente nos seus tornozelos. KC virou mas Case Keenum teve tempo o suficiente para tentar reverter a situação e a defesa dos Chiefs prontamente entregou a paçoca. Para a sorte do time, Keenum errou o passe para um livre Demaryius Thomas e a vitória ficou com os visitantes. Agora os Chiefs estão 2 jogos a frente dos demais times (bons) da AFC Oeste.

3 – (4) Jacksonville Jaguars – 3-1

O bom Blake Bortles apareceu e os Jaguars ganharam tranquilamente de um time fraco. É isso aí, Jacksonville não fez mais do que sua obrigação. Fournette preocupa mas eu não sei se é necessariamente uma coisa ruim a ausência dele nessa parte da temporada. 

4 – (5) New Orleans Saints – 3-1

Aprendemos que a defesa do Saints pode ao menos segurar ataques ruins. Após uma primeira campanha perfeita dos Giants, a defesa de New Orleans só voltou a ceder pontos quando o ataque abriu duas posses de vantagem. Em um dia onde o ataque demorou a encontrar seu ritmo ideal, essa performance defensiva foi essencial e um sinal muito positivo para um time que, aos trancos e barrancos, está 3-1. Alvin Kamara é excepcional e mesmo que tenha menos toques com a volta de Mark Ingram, seguirá como o ponto focal desse ataque. Outro destaque vai para Taysom Hill, que completou seu primeiro passe na NFL em um fake punt (e teve outra tentativa dropada) e também correu para uma primeira descida. Se você quer ver como um time pode implementar um QB reserva atlético em seu plano de jogo de forma eficiente, observe o que New Orleans faz com Hill que, por sua parte, está claramente disposto a jogar em qualquer posição.

5 – (8) Baltimore Ravens – 3-1

A absurda sequência de 100% de aproveitamento na redzone adversária acabou de forma até preocupante para Baltimore, com 1 de 5 contra a fraca defesa dos Steelers. Mas na situação de jogo, o mais importante foram as longas campanhas no segundo tempo que sugaram o relógio e a moral dos Steelers enquanto adicionaram pontos ao placar. Após aquele primeiro tempo desastroso contra Cincinnati, a defesa dos Ravens também se reencontrou e, com exceção do segundo quarto, fez o ataque dos Steelers sofrer. Ainda me recuso a confiar em Joe Flacco, mas Baltimore provavelmente é o time mais completo da AFC Norte. 

6 – (6) Carolina Panthers – 2-1

Semana de folga.

7 – (12) Cincinnati Bengals – 3-1

A defesa sofreu, e não foi pouco, contra o ataque de Atlanta, mas Andy Dalton e companhia foram excelentes. Infelizmente Tyler Eifert, que vinha muito bem, se lesionou gravemente de novo e John Ross, com uma lesão menos séria, também sentiu no seu touchdown. Mas o que afundariam o ataque em anos anteriores não diminuiu o ritmo dos Bengals. Tyler Boyd foi uma máquina no slot e Andy Dalton tirou proveito da fragilidade defensiva dos Falcons. Quietamente Cincy vai se tornando um dos times mais perigosos da AFC. 

8 – (3) Philadelphia Eagles – 2-2

A lesão de Rodney McLeod foi um baque para a secundária dos Eagles que foi muito sentida nesse jogo. Mariota simplesmente dissecou a defesa dos campeões durante o segundo tempo e a prorrogação. O ataque foi bem, mas teve seus momentos inconsistentes durante todo o jogo, especialmente com Wentz sendo pressionado e seus recebedores deixando passes caírem no chão. Além disso, os Eagles e não souberam fechar campanhas, transformando apenas uma das quatro viagens a redzone dos Titans em touchdown. Philly ainda é um dos melhores times da liga, e Wentz está voltando para o seu melhor ritmo após a lesão.

9 –  (9) Green Bay Packers – 2-1-1

Não foi das melhores performances para os Packers, mas foi uma vitória. A defesa engoliu tranquilamente o pior ataque da NFL, limitando Josh Allen e amigos a míseras 145 jardas. O ataque de Green Bay, pelo outro lado, começou bem mas foi muito inconsistente. Rodgers ainda parece bem incomodado com a lesão no joelho, mas mostrou mais mobilidade do que nas semanas anteriores.

10 – (10) New England Patriots – 2-2

Rumores da morte da dinastia foram exagerados. Os Patriots passaram o carro em Miami (após um começo nervosinho) e agora terão Julian Edelman de volta. Brady foi bem protegido, o time foi eficiente nas terceiras descidas, correu bem com a bola e se aproveitou dos muitos erros dos Dolphins. Agora NE tem uma semana curta para enfrentar os Colts que vem de uma derrota na prorrogação com um técnico calouro. Mesmo não estando em primeiro lugar, o dono da AFC Leste voltou.

11 – (17) Chicago Bears – 3-1 

Trubisky jogou com calma. Após três semanas mostrando, na maior parte do tempo, um nervosismo preocupante. O quarterback dos Bears foi tranquilo contra os Buccaneers e a explosão ofensiva aconteceu. Não é todo jogo que Trubisky estiver calmo que ele vai lançar seis touchdowns, mas a melhor versão desse ataque apareceu e esse foi o principal diferencial (e a ruindade da defesa de Tampa) em comparação com os outros jogos, onde Chicago teve recebedores livres, mas Mitchell não os encontrava (ou errava os passes). Tarik Cohen também brilhou como uma parte essencial do ataque. Do lado defensivo, Khalil Mack continua sua campanha de terror na liga e é tranquilamente o melhor defensor da NFL nessas quatro primeiras semanas. Se o ataque realmente encontrou sua melhor versão esse time rapidamente pode se tornar um dos melhores da temporada.

12 – (18) Tennessee Titans – 3-1

O Tennessee Titans perdia por 17×3, a partira daí Mariota acertou 15 passes seguidos, sequência que foi interrompida com um drop bizarro na prorrogação. Esse drop levou a uma 4ª para 15, que Mariota converteu com um belo passe para Taywan Taylor. Os Titans converteriam outras duas quartas descidas na campanha, uma com pass interference e outra com Dion Lewis recebendo passe curto, onde Tennesse optou por não tentar empatar com um field goal longo e sim jogar pela vitória, créditos para Mike Vrabel que é o principal responsável pelo começo 3-1 do time. Jogando em casa contra o atual campeão, Tennessee jogou para vencer. A defesa segurou enquanto pode e pressionou Wentz, e o ataque se encontrou no segundo tempo com uma bela partida do quarterback. O TD da vitória de Corey Davis, primeiro dele em temporada regular, foi só a chave de ouro. Olho nesse time.

13 – (7) Miami Dolphins – 3-1

Miami venceu nas três primeiras semanas não cometendo erros, conseguindo grandes jogadas ofensivas e sendo eficiente nos momentos decisivos, tudo isso apoiado por uma defesa sólida com uma secundária forte. Nenhum desses elementos esteve presente em New England. O ataque não correu, Tannehill foi pressionado e jogou mal, a defesa parecia perdida e o time cometeu 10 faltas. Eu não esperava a vitória fora de casa contra um Patriots pressionado, mas eu também não esperava um 38×7. 

14 – (19) Los Angeles Chargers – 2-2

É claro que os Chargers deram um jeito de se complicar contra os 49ers. Pelo menos dessa vez a derrota não veio. Após um começo desastroso com um 14×0 de desvantagem no placar, Los Angeles dominou o jogo mas sempre deixando espaço para que San Francisco conseguisse voltar para a partida (incluindo 2 XP e 1 FG errados por que nenhum kicker será bom nessa franquia). A defesa é o que preocupa. O ataque produziu de forma razoável, mas a defesa levou um TD de 82 jardas de um tight end e fez o ataque de CJ Beathard parecer bom em alguns momentos do jogo. Philip Rivers não merece essa bagunça. 

15 – (15) Washington Cumpadis – 2-1

Semana de folga.

16 – (13) Minnesota Vikings – 1-2-1

Boa recuperação do ataque de Minnesota em uma semana curta após uma performance desastrosa contra os Bills. O sinal ruim é que mesmo em uma partida tão produtiva de Cousins, o QB ainda foi muito pressionado. A OL de Minnesota é um defeito fatal. O que não deveria ser um defeito fatal é a defesa, que foi amassada de uma forma vergonhosa pelo ataque dos Rams. Não importa o quão bom seja o ataque adversário, uma defesa desse calibre tem que fazer melhor do que 10 jardas por jogada para o adversário. Mike Zimmer tem muito trabalho a fazer se quiser transformar esse time em um dos favoritos da temporada como era em agosto.

17 – (16) Pittsburgh Steelers – 1-2-1 

O Steelers só cai uma posição por que os times abaixo são piores ou desapontaram mais. Mais uma vez o Steelers se meteu em um grande déficit dentro de casa. Mais uma vez o ataque buscou a desvantagem. Mais uma vez a defesa não mostrou qualquer tipo de resposta, dessa vez contra um adversário que Keith Butler deveria conhecer muito bem. Mais uma vez o ataque foi inconsistente e dessa vez simplesmente morreu no segundo tempo. Não faltaram oportunidades para os Steelers já que Baltimore não conseguiu desgarrar com a vantagem por que não aproveitou suas cinco idas a redzone (apenas um touchdown) o que parece bom da defesa, mas isso não exclui que foram cinco viagens a redzone, incluindo três de mais de 10 jogadas no segundo tempo. Um ataque com esse nível de talento não pode ser tão inconsistente ou ruim em terceiras descidas como foi contra Baltimore (16%) e a defesa tem que mostrar algum tipo de evolução. Eventualmente os olhares vão cair para a equipe técnica, que deveria estar bem preocupada.

18 – (11) Tampa Bay Buccaneers – 2-2  

A magia oficialmente acabou. Por um lado, todos sabiam que isso iria acontecer, pelo outro, não é culpa de Fitzpatrick, que não vinha fazendo seu melhor jogo, é verdade, se a defesa sofreu 38 pontos no primeiro tempo. Tampa chega a semana de folga com Winston de titular (ele teve 2 interceptações e um TD no garbage time) e com duas derrotas seguidas, mas sabendo que existe um potencial ofensivo incrível na equipe. Resta aproveitar o tempo até o próximo jogo para arrumar a defesa e torcer para que Winston seja realmente a melhor opção. 

19 – (14) Atlanta Falcons – 1-3 

Pela segunda semana consecutiva o ataque de Atlanta foi quase perfeito – mais de 35 pontos, nenhum turnover, em casa – e pela segunda semana consecutiva a defesa foi uma tragédia. O pior é que é difícil ver uma melhora para os Falcons sem Keanu Neal e Deion Jones, ainda mais agora que Eric Reid foi pros Panthers. O jogo contra o Steelers no próximo domingo é essencialmente uma partida de playoff para Atlanta. 

20 – (20) Denver Broncos – 2-2

O Denver Broncos teve mais jardas por jogada do que os Chiefs. Se eu te dissesse isso antes do jogo, seria um sinal claro de que Denver venceria em uma performance sólida da defesa contra o potente ataque de KC e um bom jogo do ataque dos Broncos contra a fraquíssima defesa adversária. Foi mais ou menos isso o que aconteceu, menos a parte da vitória de Denver. Em uma noite onde os Chiefs demoraram para encontrar seu ritmo ofensivo e atirou no próprio pé diversas vezes com faltas, faltou a Denver o poderio para abrir uma vantagem maior e manter a bola longe de Mahomes. Denver ainda teve a chance de vencer no final, mas faltou qualidade a Keenum. Estou cada vez mais convencido de que com um quarterback melhor esse time iria bem longe.

21 – (23) Seattle Seahawks – 2-2

O Seattle Seahawks venceu um jogo onde o time foi 0-10 em terceiras descidas. O time correu bem com a bola, deu sorte de nenhum dos três fumbles ter sido recuperado por Arizona e em um dia onde os kickers foram mal, Janikowski tirou mais uma bomba de 50+ jardas da cartola para vencer o jogo. Foi uma forma completamente insustentável de vencer um jogo e Seattle só naõ é o 2-2 que mais engana nesse começo de temporada por causa de Dallas. 

22 – (28) Dallas Cowboys – 2-2 

Jason Garrett tentou perder o jogo chutando um field goal de 22 jardas para ficar seis pontos na frente dos Lions com tempo mais do que o suficiente no relógio para Stafford virar, o que o QB de Detroit prontamente fez. A sorte de Garrett é que sobrou tempo o suficiente para Prescott mostrar sinais de vida e arrancar uma vitória para os Cowboys. A ruindade do time está escondendo, mas Zeke Elliott tem 5.8 jardas por carregada. Dallas ainda não é um bom time, mas por uma tarde, contra os Lions, conseguiu colocar em ação sua fórmula vitoriosa

23 – (21) Cleveland Browns – 1-2-1

Eu detesto falar sobre apito, mas os Browns tiveram uma primeira descida questionavelmente revertida e um fumble que provavelmente seria retornado para touchdown que não aconteceu por que as zebras apitaram absurdamente cedo demais uma jogada que tinha zero motivos para ser apitada cedo demais (vale lembrar que Oakland também teve uma grande jogada anulada pelo mesmo motivo no começo do jogo). Em um jogo apertado, essas duas jogadas teriam essencialmente encerrado a partida, mas os Browns arrumam um jeito. Seria a primeira vitória do time em um domingo desde 2015 e a primeira vez com uma campanha positiva desde 2014. A defesa fraquejou repetidamente contra o ataque dos Raiders mas também se encontrou em situações complicadas após três turnovers dos quatro turnovers ofensivos do time. O ataque foi muito explosivo, mas não teve tanta consistência, só duas das campanhas de pontuação tiveram mais de 10 jogadas e ambas terminaram em field goals. Ser explosivo é bom. Depender disso, nem tanto. 

24 – (22) Detroit Lions – 1-3 

É muito Detroit Lions sair de uma vitória impressionante contra os Patriots e entregar a paçoca contra o fraco Dallas Cowboys. Essa era a chance do time se recuperar na temporada e por mais que os rivais de divisão tenham seus problemas até agora, fica muito claro quem é, com facilidade, o pior time da NFC Norte. Uma dica para Matt Patricia ou Jim Bob Cooter, mais Kerryon Johnson menos LeGarrette Blount. Acreditem em mim, vai dar certo. 

25 – (25) Indianapolis Colts – 1-3

Eu não culpo Frank Reich por tentar vencer o jogo na prorrogação, arriscando uma 4ª para 4 da sua linha de 43. Os Colts falharam na quarta descida, mas a ideia era tentar sair com a vitória, e não o empate da partida, então não culpo o técnico. É engraçado que nos dois bons jogos do ataque de Indy até aqui (o outro foi contra Cincinnati) foram também os piores da defesa. A pressão apareceu contra a fraquíssima linha de Houston, foram 7 sacks em Deshaun Watson, mas 466 jardas e 30 first downs, mesmo com uma prorrogação inteira a mais, não dá. 

26 – (24) New York Giants – 1-3 

O Giants enganou semana passada e provou isso contra os Saints. Em um jogo onde New Orleans teve dificuldades ofensivas durante a maior parte do tempo, chutando field goal atrás de field goal, faltou ao ataque de NY a capacidade de capitalizar contra uma defesa que vem desapontando no ano. O Giants segue sem chegar a 30 pontos em um jogo desde 2015, algo que parece impossível na NFL atual por probabilidade e pelo o que o jogo se tornou. É muita ineficácia ofensiva para um time com Odell, Shepard e Saquon.

27 – (30) Houston Texans – 1-3

Dois sacks para Clowney (e um fumble recuperado na endzone), dois sacks e dois fumbles forçados para Watt. A defesa foi queimada repetidas vezes pelos Colts no segundo tempo, mas as grandes jogadas de seus melhores jogadores foram um diferencial importante para os Texans, que vão precisar muito deles. Ofensivamente, a produção de Deshaun Watson e companhia durou todo o jogo e não começou só quando a partida estava decidida. Watson, apesar dos sete sacks sofridos, continuamente achou DeAndre Hopkins e Keke Coutee dissecando a defesa dos Colts. Esse time ainda não é bom, mas pelo menos pode voltar a ser divertido. 

28 – (26) New York Jets – 1-3  

O Jets perder para o Jaguars não é nenhuma surpresa, o que irrita são algumas decisões de Todd Bowles. Perdendo por 25×3 Bowles optou por chutar um field goal, que transformou a diferença de três posses de bola em uma diferença de três posses de bola. Perdendo por 25×12 com 4:33 no relógio, Bowles foi para o punt numa 4ª para 6. O ataque teria mais uma única jogada no restante da partida. Bowles basicamente desistiu do jogo nessas jogadas que, por mais que provavelmente não mudassem o resultado, mostraram uma apatia ou falta de conhecimento (não sei o que é pior) do técnico dos Jets. Parece que ele está resignado que não estará lá em 2019 e está comandando o time como se soubesse disso.

29 – (31) Oakland Raiders – 1-3 

O Raiders pariu uma vitória contra o Cleveland Browns, em casa, onde o time teve 21 pontos que vieram de turnovers e precisaram de erros crassos da arbitragem no último período para vencer. A defesa foi, mais uma vez, um desastre, mas compensou com turnovers. O ataque foi aos trancos e barrancos mas se encontrou na segunda etapa e Marshawn Lynch teve provavelmente seu melhor jogos desde que chegou em Oakland. Eu ainda não confio nesse time, eles ainda são muito aleatórios na redzone adversária e a defesa é simplesmente lenta demais para a NFL moderna. A vitória veio, a qualidade nem tanto. 

30 – (27) San Francisco 49ers – 1-3 

Os niners sem Garoppolo fizeram uma bela partida contra os Chargers. Se aproveitaram dos erros e fraqueza defensiva de Los Angeles para assustar jogando melhor do que o esperado no ataque e dando um baita susto nos cinco torcedores de LA que estavam no Estádio do Galaxy™. Infelizmente, ainda falta talento em toda a equipe. Mas se seguir evoluindo dessa forma, podemos ver mais jogos divertidos desse 49ers e não um completo desastre. 

31 – (29) Buffalo Bills – 1-3 

Josh Allen fez em Green Bay o que eu esperava que ele fizesse em Minnesota. Zero chance desse time ganhar de um oponente que não imploda como os Vikings fizeram. Pelo menos a defesa parece estar arrumadinha. 

32 – (32) Arizona Cardinals – 0-4

O Arizona Cardinals teve uma primeira para 10 na linha de 31 do campo de Seattle com 2:59 para o fim de jogo. Arizona, que chegou ao empate e nessa posição de campo graças ao braço de seu quarterback calouro, correu três vezes seguidas. David Johnson pelo meio, 2 jardas. David Johnson pelo meio, 2 jardas. David Johnson pelo meio, nenhuma jarda. Field goal de 45 jardas para Phil Dawson, que já tinha errado um na partida. Para fora. Seattle pega a bola, avança, Janikowski de 52 jardas, lá dentro, Seahawks vence. Steve Wilks jogou para não perder e, como costuma acontecer na NFL, perdeu. Arizona podia jogar pelo field goal e por queimar o tempo, mas precisava de mais um first down antes disso. Rosen teve um começo bom, especialmente se você considerar a falta de talento ao redor dele, mas poderia ter sido um começo vitorioso. Essa tá na conta do técnico.  

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *