O futuro é Dwayne Haskins?

A situação em Washington não está das melhores. Alex Smith teve uma lesão gravíssima, provavelmente dando números finais a sua trajetória na NFL, e o seu possível substituto é a grande fera Case Keenum, que pouco fez em Denver. Nada mais justo que a equipe da capital americana selecionar um QB via draft, não é? Conseguiram não só isso, mas o melhor talento desta classe. Ao menos o mais pronto para começar uma partida profissional de futebol americano.

Considerado o jogador ofensivo do ano da Big Ten, Haskins vai um pouco na contramão do que acredito ser primordial para um quarterback: experiência.

Foi apenas um ano pelos Buckeyes, onde teve 373 passes completados para 4831 jardas, 50 touchdowns e apenas 8 interceptações. Números que certamente saltam os olhos. Vencedor do Prêmio Sammy Baugh, Haskins teve uma absurda média de 70% dos passes completados, liderando sua Conferência e sendo o quarto melhor de toda a NCAA. Liderou o futebol americano universitário em jardas e em touchdowns.

Diferente do que Stephen A. Smith acha, Haskins não é um talento com as pernas, mas com o braço. Me lembra muito como Teddy Bridgewater entrou na NFL. Um atleta que aparentava estar preparado para o desafio no próximo nível. Claro que pesa o fato do QB ex-Louisville ter tido três temporadas nas costas na NCAA, e isso é um critério que é importantíssimo na avaliação, porém não preponderante.

Acredito que a transição natural será ele atuar em 2019 como QB1 de Washington. Tudo depende do desempenho do veterano Keenum. Se for mal, o quanto antes esta transição irá ocorrer. Se for bem, Keenum pode ser usado em uma possível troca, abrindo espaço para acreditar em Haskins. De todo jeito, ele é o futuro do time, sem dúvida alguma. Washington precisa de uma total reconstrução, e ter um quarterback barato será fundamental nesse processo. Philadelphia e Dallas vem se distanciando como forças na divisão e os Redskins precisam diminuir essa diferença.

De acordo com um estudo feito por Peter Hailey, do NBC Sports, 23 QBs foram selecionados na parte de cima dos últimos 10 drafts. 12 destes 23 iniciaram como titulares já no primeiro jogo, sem contar com Deshaun Watson e Josh Allen, que assumiram os postos durante os jogos da primeira semana. Além disso, apenas dois atletas, Jake Locker e Pat Mahomes, esperaram uma temporada inteira para atuar em suas equipes.

Ou seja, podemos esperar com tranquilidade que veremos Haskins chamando as jogadas pela equipe tricampeã do Super Bowl.

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *