• 45 Jardas

Hora de olhar ao redor


Colin Kaepernick protestou de forma pacífica em 2016 e foi "condenado" a nunca mais jogar na NFL

Antes de escrever a coluna desta quarta-feira, eu fiz as minhas atividades do dia. Saio de casa duas vezes por semana e desde que vi a capa da Sports Illustrated (abaixo), imaginei se teríamos ela em edição impressa. Dei uma passada na livraria para conferir e nada. Apenas após uma rápida pesquisa é que entendi que era uma capa diária da SI. Mas aquilo já tinha acendido outras ideias na minha mente.

Eu escrevo todos os dias olhando para dois ídolos. Tenho um boneco de Rivaldo e outro de Ray Lewis ao lado do computador. E nesse momento sempre procuramos referências. Buscamos saber a posição dos nossos ídolos. Poderia dizer que eu comecei a perceber, mas seria mentira. Voltei a lembrar que a grande maioria dos meus ídolos são pretos. Praticamente todos se manifestaram. A parte que ficou em silêncio foi a brasileira. Normal para um país que não enxerga o racismo que está na ponta do seu nariz. Só que nesse momento voltei a lembrar das percepções que tinha no Brasil. Nos meus empregos tive poucos companheiros negros. No colégio, mesma coisa. Círculo de amigos, também. Em Toronto isso não mudou. No meu emprego há apenas um. Na faculdade só tive uma colega de classe negra. Algo que deveria ser mais fácil já que moro em uma das cidades mais multiculturais do mundo. Uma repetição infeliz e que explica muita coisa. Que explica a desigualdade que a gente não enxerga. Não vou falar muito sobre o que vem acontecendo há mais de uma semana. Não é o meu lugar de fala. O momento, mais uma vez, é de aprender, ouvir e se indignar. É hora de você, que não entendia o que ocorre com os negros, tentar ver de outra perspectiva. É o momento de entender por qual motivo Colin Kaepernick ajoelhava. A mesma posição que tirou uma vida negra por um motivo torpe e sem sentido.


Indicação da semana

Eu poderia pegar leve, mas é impossível depois de tudo que a gente observa ao nosso redor. O filme que vi essa semana foi A Outra História Americana (American History X). Um filme pesado e que mostra um pouco do que acontece nos Estados Unidos. É de 1998, mas poderia ser de 2016.


Outra indicação é Straight Outta Compton, um dos meus filmes favoritos sobre o assunto. Junta música, uma das minhas paixões, com a luta contra o racismo, uma das bandeiras que sempre levantei e vou levantar pelo resto da vida.


Gostou? Não? Quer bater papo? Deixa eu comentário aqui ou fala comigo lá no twitter através do @RRBrasileiro.

45 Jardas

  • Facebook
  • Twitter
  • Spotify
  • Apple Music

© 2020 by 45 Jardas

Newsletter 45 Jardas