• Mateus Fernandes

Power Rankings: Semana 5



Habemus novo número 1! A semana cinco trouxe algumas das maiores surpresas da temporada, incluindo o vice campeão levando uma surra, o queridinho da temporada sofrendo na terça-feira e Derek Carr lançando em profundidade. Com isso, naturalmente, o ranking finalmente teve algumas mudanças no top 5, mas fiquem tranquilo que os dois piores times seguem firmes e fortes como os dois piores times. 1 (3) - Seattle Seahawks - 5-0

A defesa dos Seahawks é tragicamente ruim mas até que isso seja o suficiente para o time perder um jogo não tem como não colocar o único time 5-0 da liga, com Russell Wilson completamente em chamas, no topo do ranking.

2 (2) - Green Bay Packers - 4-0

BYE

3 (1) - Kansas City Chiefs - 4-1

O ataque do Chiefs só fez um jogo inteiro bom contra os Ravens. Em todas as outras partidas tiveram quartos e até tempos inteiros muito inconstantes, e contra o Raiders o segundo tempo foi assim. Defensivamente, o time jogou como na primeira metade de 2019. Vou julgar essa derrota como um resultado que acontece contra um bom time e rival de divisão, mas é uma tendência preocupante as seguidas performances questionáveis do ataque, mesmo quando o "questionável" do ataque do Chiefs é um sonho para a maioria dos times da liga.

4 (5) - Baltimore Ravens - 4-1

Só o Ravens para vencer dois jogos seguidos de forma preocupante. Lamar não treinou direito durante a semana e a defesa dos Bengals criou muitos problemas para o ataque, inclusive para o jogo terrestre, independente da condição física do QB. Felizmente para Baltimore, a defesa resolveu não dar nenhuma chance pra Cincinnati.

5 (6) - Pittsburgh Steelers - 4-0

O pass rush segue como o melhor da NFL mas a secundária preocupa cada vez mais. Minkah Fitzpatrick não está jogando 10% do que jogou em 2019 e o elenco permitiu que um WR que passou a offseason sendo cortado por Lions e Packers tivesse o jogo da carreira. Ofensivamente, o ataque conseguiu esticar campanhas e permanecer em campo, utilizando Chase Claypool de forma excelente e não apenas pelos TDs, mas pela criatividade nas formações e chamadas, a única preocupação desse lado da bola é que o ataque em profundidade ainda não está clicando.

6 (9) - Tennessee Titans - 4-0

A defesa forçou erros, o time especiais ajudou a colocar o ataque em ótimas posições e Tannehill e companhia foram ultra eficientes na redzone adversária. Nem pareceu que esse time mal treinou nas últimas semanas em uma vitória absurdamente dominante. Agora é só parar de fazer besteira fora de campo que os Titans podem ir bem longe.

7 (7) - Los Angeles Rams - 4-1

O dilúvio na capital americana não atrapalhou o domínio esperado dos Rams. Aaron Donald é um monstro e vem forte para mais um prêmio de jogador defensivo do ano.

8 (4) - Buffalo Bills - 4-1

Josh Allen é caótico, mesmo nas partidas que jogou bem o caos estava presente. Contra Tennessee ele não foi o maior problema do time, a ausência de John Brown talvez tenha sido maior do que o previsto, a defesa foi incapaz de parar Tennessee nos momentos chave e o time cometeu 10 faltas, mas Allen foi mais "caótico ruim" do que "caótico bom" pela primeira vez no ano. O time vai se recuperar, mas foi um baita sacode.

9 (13) - Cleveland Browns - 4-1

O Cleveland Browns cometeu apenas duas faltas contra os Colts e sobreviveu um jogo onde o seu QB simplesmente não foi bem. Isso, mais do que Myles Garrett voando e o ataque com Stefanski envolvendo Odell, Jarvis Landry e sendo efetivo mesmo com um jogo ruim do QB é mais importante do que a vitória em si, por que mostra a maturidade e evolução do time.


10 (15) - Las Vegas Raiders - 3-2

Assim como a vitória sobre os Saints, foi um triunfo categórico que mostra o potencial que esse time tem. Henry Ruggs, só estando em campo, muda totalmente esse ataque e é muito bom ver Derek Carr soltando o braço. O talento o QB sempre teve, mas se continuar a desenvolver sua agressividade e mentalidade com Jon Gruden pode alcançar novos patamares. Também vale ressaltar o trabalho da defesa no segundo tempo. Se esse time jogar assim com mais frequência pode ir muito longe.

11 (8) - Tompa Bay Buccaneers - 3-2

A imagem da partida foi Tom Brady perdido achando que era quarta descida quando o turnover on downs já havia acontecido, mas o ataque dos Bucs inteiro sofreu. Faltas, turnovers e field goals, é assim que se perde um jogo no qual a sua defesa limitou o ataque adversário a 243 jardas.

12 (12) - New Orleans Saints - 3-2

O Saints precisou suar sangue, Brees alternou momentos preocupantes com momentos "vintage" e a defesa foi de altos e baixos muito baixos. Michael Thomas precisa parar de brigar com companheiros de equipe e o time precisa ser mais constante no ataque, na defesa e até na disciplina para não passar por tantos sufocos.

13 (10) - New England Patriots - 2-2

BYE

14 (16) - Chicago Bears - 4-1

Sim, os Bears venceram novamente. Não, eu ainda não confio nesse time. Dito isso, a defesa merece ser valorizada após mais uma boa performance, independente do ataque engessado do outro lado da bola (menos de 250 jardas e 30% de conversão em terceira descidas) que não contribui muito.

15 (17) - Carolina Panthers - 3-2

Do nada três vitórias consecutivas dos Panthers. O ataque de Joe Brady tem brilhado mesmo sem Christian McCaffrey e a defesa, que ainda falha bastante, tem mostrado momentos de brilhantismo. Por enquanto Carolina é uma das melhores surpresas da temporada.

16 (14) - Indianapolis Colts - 3-2

Rodrigo Blankenship tem se saído um dos melhores kickers da NFL, mas não é um bom sinal quando seu kicker precisa ser utilizado tantas vezes. Os Colts terminaram campanhas de 7, 10 e 12 jogadas com field goals de 32, 37 e 25 jardas, quando um desses convertido em TD teria mudado a história do jogo. Juntando isso a mais um jogo inconsistente de Philip Rivers (2 interceptações e 1 safety) e você tem um time que mesmo quando a defesa - que foi mal no primeiro tempo mas se recuperou no segundo - força três turnovers perde o jogo. Para alcançar os Titans, Indy vai ter que ser um time bem mais completo e eficiente.

17 (18) - Arizona Cardinals - 3-2

Vencer é importante mas ganhar com tranquilidade dos Jets - e poderiam ter se complicado no começo da partida - não vai fazer ninguém subir muito nesse ranking. A perda de Chandler Jones liga um sinal de alerta enorme em um time que não pode se dar o luxo de perder atletas do calibre dele.

18 (11) - San Francisco 49ers - 2-3

Ainda acima de Miami apenas pelo respeito ao vice de 2019 e a compreensão de que esse time está muito machucado e isso tende a melhorar, mas a derrota do domingo foi acachapante. Garoppolo estava longe de ser saudável e o ataque não ofereceu as soluções rápidas que costuma oferecer, mas o que realmente chocou foi a defesa. Mesmo desfalcada, foram 43 pontos cedidos para Fitzpatrick e companhia, um total passeio.

19 (25) - Miami Dolphins - 2-3

Uma performance magistral de Ryan Fitzpatrick e um desastre ofensivo - e bem aproveitado pela defesa de Miami - do 49ers resultou na pisa mais chocante do ano, não apenas uma zebra, mas um total massacre. Não importa a quantidade de lesões de San Francisco, Miami forçou três turnovers, cinco sacks e controlou a bola e pontuou bem no ataque. Uma performance completa e surpreendente.

20 (20) - Los Angeles Chargers - 1-4

Mais uma partida muito competitiva dos Chargers, mais uma derrota. Novamente o time foi conservador nos momentos errados, basicamente jogando por um field goal longo, que ainda dependeu de uma bela conexão entre Herbert e Mike Williams, nos segundos finais do tempo normal. Bola na trave, prorrogação, vitória dos Saints. Não tem jogo ganho para e nem contra esse time, e existem muitos motivos para ser otimista com Herbert, mas seria bom vencer um jogo apertado desses de vez em quando.

21 (21) - Dallas Cowboys - 2-3

A temporada acabou, mas os Cowboys ainda são favoritos para vencer a NFC Leste. O ataque ainda tem talento o suficiente, Andy Dalton é um QB ok, e sete ou oito vitórias provavelmente garantem a divisão. A defesa vai ter que melhorar muito e é improvável que, mesmo jogando em casa na pós-temporada, Dallas saia da rodada de wildcard.

22 (19) - Minnesota Vikings - 1-4

O plano dos Vikings de não deixar Russell Wilson entrar em campo funcionou muito bem no primeiro tempo, ainda mais com a defesa conseguindo pressionar o QB de Seattle, mas o ataque não abriu uma grande vantagem e no terceiro quarto veio um mini colapso que resultou em 21 pontos do adversário em 2 minutos de jogo. Mesmo assim o time esteve a meia jarda de ganhar o jogo - decisão acertada de Zimmer já que Minnesota estava correndo bem - mas vitórias morais não contam e 1-4 praticamente encerra a temporada.

23 (23) - Detroit Lions - 1-3

BYE

24 (26) - Houston Texans - 1-4

Foi só Bill O'Brien ir embora que a primeira vitória veio. Sim, foi contra um Jaguars muito desfalcado, mas o importante é a vitória. Houston tem muito o que melhorar, Jacksonville perdeu dois fumbles e errou dois field goals, mas as interceptações de Deshaun impediram o jogo de ter sido "encerrado" bem antes, mas é um passo no caminho certo.

25 (22) - Philadelphia Eagles - 1-3-1

Pra Philadelphia vencer o ataque tem que jogar limpo, duas interceptações, nove faltas e cinco sacks - podendo ser muito mais se Wentz não tivesse escapado de vários - não é jogar limpo. Mesmo assim o ataque conseguiu alguns momentos explosivos e ser eficiente nas terceiras descidas, uma pena que a defesa não teve nenhuma resposta para o ataque do adversário.

26 (24) - Cincinnati Bengals - 1-3-1

A defesa conseguiu incomodar e dificultar um pouco a vida para os Ravens, mas o ataque precisa fazer de tudo para proteger Joe Burrow. Não vai terminar bem para o calouro se ele continuar apanhando desse jeito.

27 (27) - Jacksonville Jaguars - 1-4

O Jaguars virou o "acorda defunto" da liga, dando a primeira vitória dos Texans dessa vez. Uma defesa que já era ruim, sem Myles Jack, Josh Allen e D.J. Hayden mal viu a cor da bola contra Houston. Nesses tipos de jogos, ainda mais com o kicker errando, esse time não vai ter chance alguma.

28 (28) - Atlanta Falcons - 0-5

A era Thomas Dimitroff chegou a um final trágico. Dimitroff reconstruiu o time após a prisão de Michael Vick, transformando um Falcons sem rumo em um time que competiu com frequência e esteve a um colapso de conquistar seu primeiro Lombardi. Mas estava na hora, o elenco é frágil, o time não tem teto salarial e dentro de campo não tem nem o que discutir sobre Dan Quinn, que chegou ao SB mas nunca montou uma boa defesa e cansou de perder jogos que deveriam ser vencidos. Que venha o rebuild, que vai ter muitas decisões difíceis no caminho.

29 (29) - Washington Football Team - 1-4

Ver Alex Smith em campo foi emocionante - e simultaneamente assustador - mas foi a única coisa positiva na terceira pior exibição ofensiva da história da franquia, conquistando apenas 108 jardas, 2.1 por jogada, e cedendo oito sacks. Smith merece coisa melhor se for continuar jogando.

30 (30) - Denver Broncos - 1-3 BYE

31 (31) - New York Giants - 0-5

Difícil imaginar que esse Giants poderia estar apenas meio jogo atrás da liderança da NFC Leste se tivesse vencido o Cowboys em um jogo apertado. Mas nem isso conseguiram em uma partida onde tiveram a liderança no último quarto e o oponente perdeu o QB, e agora a temporada realmente acabou, mesmo jogando na pior divisão da liga.

32 (32) - New York Jets - 0-5 Foi a sexta derrota por 20 pontos ou mais de Adam Gase no comando dos Jets, o recorde do período. É um pequeno milagre que dois técnicos já foram demitidos antes dele.


LEMBRETE: Sim, eu odeio especificamente o seu time e supervalorizo os rivais, qualquer reclamação pode mandar através do twitter ou, ainda melhor, apoia a gente e participa do grupo do Clube 93 (ah, e a posição da semana anterior está entre parênteses).

45 Jardas

  • Facebook
  • Twitter
  • Spotify
  • Apple Music

© 2020 by 45 Jardas

Newsletter 45 Jardas